Inicio    

Novo Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

O Decreto-Lei n.º 118/2013, de 20.08., transpõe a Diretiva n.º 2010/31/UE do Parlamento e do Conselho,de 19.05.2010, relativa ao desempenho energético dos edifícios.Com a entrada em vigor deste Decreto-Lei são revogados os seguintes diplomas: DL n.º 78/2006, de 4.04,DL n.º 79/2006 (RSECE), de 4 de Abril e DL n.º 80/2006 (RCCTE), de4.04.

Este diploma entra em vigor em 1 de Dezembro de 2013 e consubstancia melhorias ao nível da sistematização e âmbito
de aplicação ao congregar num único diploma, o Sistema de Certificação Energética dos Edifícios (SCE),que por sua vez
integra o Regulamento do Desempenho Energético Dos Edifícios De Habitação (REH) e o Regulamento de Desempenho
Energético dos Edifícios de Comércio e Serviços (RECS).

1) Sistema de Certificação Energética (SCE)
Cumpre destacar as seguintes alterações resultantesdeste diploma:

A. Âmbito de aplicação do SCE 
São abrangidas pelo SCE, os edifícios ou frações, novos ou sujeitos a grande intervenção nos termos doREG e RECS. As
frações que não estejam constituídas como frações autónomas só são abrangidas pelo SCE a partir do momento em que
são dadas em locação.

São também abrangidos pelo SCE os edifícios ou frações existentes de comércio e serviços:

a) Com área interior útil de pavimento igual ou superior a 1000 m2, ou 500 m2 no caso de centros comerciais,
hipermercados, supermercados e piscinas cobertas; ou
b) Que sejam propriedade de uma entidade pública e tenham área interior útil de pavimento ocupada por uma
entidade pública e frequentemente visitada pelo público superior a 500 m2 ou, a partir de 1 de julho de 2015,
superior a 250 m2;

São, ainda, abrangidos pelo SCE todos os edifícios ou frações existentes a partir do momento da sua venda, dação em
cumprimento ou locação posterior à entrada em vigordo presente diploma, salvo nos casos de:
a) Venda ou dação em cumprimento a comproprietário,a locatário, em processo executivo, a entidade expropriante ou para demolição total confirmada pela entidade licenciadora competente;
b) Locação do lugar de residência habitual do senhorio por prazo inferior a quatro meses;
c) Locação a quem seja já locatário da coisa locada.

Estão excluídos do SCE:
a) As instalações industriais, agrícolas ou pecuárias;
b) Os edifícios utilizados como locais de culto ou para atividades religiosas;
c) Os edifícios ou frações exclusivamente destinados a armazéns, estacionamento, oficinas e similares;
d) Os edifícios unifamiliares com área útil igual ou inferior a 50 m2;
e) Os edifícios de comércio e serviços devolutos, até à sua venda ou locação depois da entrada em vigor do presente diploma;
f) Os edifícios em ruínas;
g) As infraestruturas militares e os edifícios afetos aos sistemas de informações ou a forças e serviços de segurança
que se encontrem sujeitos a regras de controlo e deconfidencialidade;
h) Os monumentos e os edifícios individualmente classificados ou em vias de classificação e aqueles a que seja
reconhecido especial valor arquitetónico ou histórico pela entidade licenciadora ou por outra entidadecompetente
para o efeito;
i) Os edifícios integrados em conjuntos ou sítios classificados ou em vias de classificação, ou situados dentro de
zonas de proteção, quando seja atestado pela entidade licenciadora ou por outra entidade competente para o
efeito que o cumprimento de requisitos mínimos de desempenho energético é suscetível de alterar de forma inaceitável o seu caráter ou o seu aspeto;
j) Os edifícios de comércio e serviços inseridos eminstalações sujeitas ao regime aprovado pelo Decreto-Lei n.º
71/2008, de 15 de abril, alterado pela Lei n.º 7/2013, de 22 de janeiro.

B. Certificação 
São consideradas certificações técnicas:
• O pré certificado – certificado emitido em fase de projeto antes do início da construção ou grande intervenção;
• O certificado SCE– certificado emitido por perito qualificado para a certificação energética para um determinado
edifício ou fração, caracterizando-o em termos de desempeno enrgético.

C. Organização e Funcionamento do SCE
Com o novo diploma, os técnicos do SCE são, a par dos peritos qualificados (PQ), os técnicos de instalação e manutenção (TIM).

Os PQ têm as seguintes competências:
i. Fazer a avaliação energética dos edifícios a certificar no âmbito do SCE, não comprometendo a qualidade do ar
interior
ii. Identificar e avaliar, nos edifícios objeto de certificação, as oportunidades e recomendações de melhoria de
desempenho energético;
iii. Emitir os pré-certificados e certificados SCE;
iv. Colaborar nos processos de verificação de qualidadedo SCE;
v. Verificar e submeter ao SCE o plano de racionalização energética.

Aos TIM compete coordenar ou executar as atividadesde planeamento, verificação, gestão da utilização de energia, instalação e manutenção relativo a edifícios e sistemas técnicos.

Por outro lado, são também alterados os prazos de validade para pré-certificados e certificados SCE:
i. Pré-certificados – 10 anos
ii. Certificados SCE – 10 anos
iii. Certificados SCE para Grande Edifício de Comércio eServiços (GES) sujeitos a avaliação energética periódica – 6
anos.

Surge ainda o conceito de edifício com necessidadesquase nulas de energia, os quais conjugam a redução, na maior
extensão possível numa lógica de custo-benefício, das necessidades energéticas do edifício, com o abastecimento energético através do recurso a energia de origem renovável e passarão a constituir o padrão a partir de 2020, ou de 2018, no
caso de edifícios novos de entidades públicas.

D. Contraordenações
Os valores das coimas resultantes de contraordenações passam a ser únicos – de € 250,00 a € 3.740,00 para pessoas
singulares e € 2.500,00 a € 44.981,81 para pessoas coletivas.

Às contraordenações que já se encontravam fixadas pelo DL n.º 78/2006 acrescem as seguintes:
• O incumprimento pelo proprietário de edifício ou sistema de:
i) Obtenção do pré-certificado;
ii) No caso de GES, não dispor de TIM adequados para o tipo e características dos sistemas técnicos instalados ou; não assegurar o cumprimento do plano de manutenção elaborado entregue pelo TIM ou; não submeter ao SCE, por intermédio de Perito Qualificado, eventual Plano de Racionalização Energética e cumpri-lo.
iii) Nos casos de venda, dação em cumprimento ou locação, não indicar a classificação energética do edifício
constante do respetivo pré-certificado ou certificado SCE em todos os anúncios publicados com vista à venda ou locação;
iv) Nas mesmas situações do número anterior, caso não entregue cópia do pré-certificado ou certificadoSCE
ao comprador ou locatário no ato de celebração de contrato-promessa de compra e venda, ou locação, e
não entregue o original no ato de celebração da compra e venda.
• A utilização de um pré-certificado ou certificado SCE inválido;
• O incumprimento pelos proprietários de edifícios decomércio e serviços no cumprimento dos limiares deproteção e condições de referência dos poluentes a estabelecer por portaria.

2) Regulamento do Desempenho Energético Dos Edifícios De Habitação (REH) e o Regulamento de Desempenho
Energético dos Edifícios de Comércio e Serviços (RECS)

A avaliação do desempenho energético dos edifícios passa a basear-se nos seguintes pilares:
• REH –Assumem posição de destaque o comportamento térmico e a eficiência dos sistemas técnicos dos edifícios. Como tal, para cumprimento destes objetivos o Regulamento estabelece:
i) Requisitos de qualidade térmica da envolvente nos novos edifícios e nas intervenções em edifícios existentes;
ii) Requisitos de ventilação dos espaços, impondo um valor mínimo de cálculo para a taxa de renovação do ar
em edifícios novos e respetiva adaptação no caso deintervenções em edifícios existentes;
iii) Valores de necessidades nominais de energia útil para aquecimento e arrefecimento do edifício

• RECS –No caso dos edifícios de comércio e serviços acrescem aos princípios expostos, a instalação, a condução e a manutenção de sistemas técnicos e de climatização dos edifícios.

Estão sujeitos a padrões mínimos de eficiência energética, os sistemas de climatização, de preparação de água quente
sanitária, de iluminação, de aproveitamento de energias renováveis de gestão de energia.

Mantém-se a promoção da utilização de fontes de energia renovável com natural destaque para o aproveitamento do
recurso solar.

No que respeita à política de qualidade do ar interior, considera-se da maior relevância a manutenção dos valores mínimos
de caudal de ar novo por espaço e dos limiares de proteção para as concentrações de poluentes do ar interior, de forma a
salvaguardar os mesmos níveis de proteção de saúde e de bem-estar dos ocupantes dos edifícios. Passa aprivilegiar-se a
ventilação natural em detrimento dos equipamentos de ventilação mecânica. São ainda eliminadas as auditorias de qualidade do ar interior, mantendo-se, contudo, a necessidade de se proceder ao controlo das fontes de poluição e à adoção
de medidas preventivas, tanto ao nível da conceção dos edifícios, como do seu funcionamento, de forma a cumprir os
requisitos legais para a redução de possíveis riscos para a saúde pública.

Todos estes princípios são concretizados em requisitos específicos consoante se tratem de edifícios novos; edifícios sujeitos a grande intervenção e edifícios existentes.

O DL n.º 118/2013, nas regras dispostas nos Regulamentos (REH e RECS), compila num único diploma legislação que se
encontrava dispersa e procede, assim, à atualizaçãodos requisitos da qualidade térmica, à introdução de requisitos de
eficiência energética e, complementarmente, à manutenção da promoção da utilização de fontes de energia renovável,
com clarificação e reforço dos métodos para quantificação do respetivo contributo.